Aprovado projeto que proíbe contingenciamento de recursos do Fundo Penitenciário Nacional

21/10/2015 - Geral


Matéria apreciada pela Comissão Especial do Desenvolvimento Nacional é de autoria da senadora Ana Amélia

Aprovado projeto que proíbe contingenciamento de recursos do Fundo Penitenciário Nacional

A segurança pública esteve no foco das decisões da Comissão Especial do Desenvolvimento Nacional, em reunião na tarde desta quarta-feira (21). A comissão aprovou dois projetos que podem garantir mais recursos para os fundos penitenciários dos estados. As matérias fazem parte da Agenda Brasil — pauta apresentada com o objetivo de incentivar a retomada do crescimento econômico do país.

Uma das matérias aprovadas foi o Projeto de Lei do Senado (PLS) 25/2014 — Complementar, que estabelece que os créditos orçamentários programados para o Fundo Penitenciário Nacional (Funpen) não serão contingenciados, independente da situação fiscal do governo naquele momento. O texto, da senadora Ana Amélia (PP-RS), também proíbe que haja imposição de quaisquer limites à execução da programação financeira relativa às fontes vinculadas no Funpen, exceto quando houver problemas na arrecadação das receitas correspondentes.

O projeto de Ana Amélia segue a linha do Supremo Tribunal Federal (STF) que, no mês passado, obrigou o Poder Executivo a liberar os recursos do Funpen, que estavam contingenciados. Ao mesmo tempo que tornou obrigatória a realização de audiência de custódia em 24 horas após qualquer prisão, o STF proibiu o governo de novamente contingenciar o Fundo Penitenciário. A proposta da senadora chegou a ser citada durante o julgamento do Supremo pelos ministros Marco Aurélio Mello e Celso de Mello.

A senadora destacou a importância do projeto argumentando que o sistema penitenciário brasileiro está em situação caótica. A senadora observou que, nos últimos 13 anos, dos R$ 4,5 bilhões autorizados no Orçamento da União para o Funpen, apenas R$ 1,9 bilhão foi desembolsado.

— Muitos presídios recebem queixas e são alvos de denúncias de organismos internacionais, inclusive, como é o caso do Presídio Central de Porto Alegre. Outras casas prisionais no Brasil, também, servem mais como uma universidade do crime do que para a reinserção dos apenados — disse.

Ainda sobre o assunto, a parlamentar disse ser favorável que em casos de rebeliões, por exemplo, quando houver destruições, os detentos sejam, do ponto de vista da lei brasileira, penalizados e obrigados a fazer a reconstrução para evitar que esse prejuízo caia sobre a sociedade.

O relator do projeto foi o senador Blairo Maggi (PR0MT). Ele foi categórico ao defender a proposta,  justificando que nos estados a falta de previsibilidade orçamentária prejudica a continuidade de obras e projetos em diferentes setores.

— Os estados não têm como se programar e fazer investimentos em médio e longo prazo por não terem certeza de quando vão receber os recursos destinados a eles. Quando você faz convênios com os órgãos do Governo Federal, alguns nós conseguimos viabilizar e concluir, outros não, porque aí vira o ano e o novo orçamento corta gastos. É um efeito cascata, porque o estado não paga, já que a verba é oriunda de convênio; o dinheiro não vem, e as empresas ficam na mão e abandonam projetos e obras  — relatou Maggi pelas situações vividas enquanto governador de Mato Grosso (2003-2010).

Fundo de Segurança Pública

A comissão também aprovou o PLS 72/2014, de Ricardo Ferraço. O projeto instaura o sistema “repasse fundo a fundo”, pelo qual 60% dos recursos do Fundo Nacional de Segurança Pública (FNSP) serão repassados pela União automaticamente a fundos municipais, estaduais ou distritais de segurança pública, desde que contem com conselho gestor, plano local de segurança pública e previsão orçamentária de recursos para o setor.

— Trata-se de um aprimoramento da segurança pública — declarou Blairo Maggi (PR-MT), relator da matéria, que agora segue para a Câmara dos Deputados.


Fonte: Agência Senado e Assessoria de Imprensa


Mais notícias:

16 de out
Ana Amélia defende transparência na votação do afastamento de senador
A senadora Ana Amélia (PP-RS) afirmou que não pode usar uma “régua moral diferente” para votar casos envolvendo parlamentares. Por isso, ela defende votação aberta no Plenário na decisão sobre o afastamento do senador Aécio Neves.Segundo a senadora, todas as votações devem ser…

13 de out
Ana Amélia defende voto aberto na sessão que decidirá sobre afastamento de senador
Após notícias veiculadas na imprensa de que haveria articulação por uma votação secreta para deliberar sobre as medidas cautelares e o afastamento imposto ao senador Aécio Neves, na sessão marcada para a próxima terça-feira (17), a…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail