Aprovada indicação de novo embaixador do Brasil em Angola

09/09/2016 - Relações Exteriores


País é o sexto parceiro comercial do Brasil na África

Aprovada indicação de novo embaixador do Brasil em Angola

O Plenário aprovou nesta quinta-feira (8) a indicação do diplomata Paulino Franco de Carvalho Neto para a chefia da missão diplomática brasileira em Angola.

Natural de Curitiba (PR), o diplomata ingressou na carreira em 1985. Entre as funções desempenhadas nos últimos anos estão a de diretor do Departamento dos Estados Unidos, Canadá e Assuntos Interamericanos; chefe da Divisão do Meio Ambiente; e chefe da Divisão de Serviços Gerais. Trabalhou, também, na Delegação Permanente em Genebra e chefiou delegações a vários encontros internacionais.

Paulino Franco de Carvalho Neto foi sabatinado nesta manhã na Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE), integrada pela senadora Ana Amélia (PP-RS), onde destacou o papel desempenhado pelo Banco de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) em linhas de crédito para empresas brasileiras exportadoras de serviços ou produtos. Angola é um dos maiores destinos dessas linhas, ficando atrás apenas dos Estados Unidos e praticamente empatada com a Argentina.

O diplomata também afirmou que o aumento da cooperação econômica entre Brasil e Angola pode se dar de forma positiva por meio do BNDES, atendendo a relações de custo-benefício e levando em conta os interesses do próprio banco.

Angola

A Angola é o sexto parceiro comercial do Brasil na África, atrás de Nigéria, Argélia, Egito, África do Sul e Marrocos. Em 2015, mais de 99% das importações brasileiras da Angola foram de combustíveis. Já entre os produtos exportados, destacam-se as carnes (26%) e açúcar (13%).

Entre 2002 e 2008, a corrente de comércio bilateral cresceu mais de 20 vezes. Mas de 2009 a 2012, houve queda nas trocas comerciais entre os dois países. Em 2013 e 2014, o comércio entre Brasil e Angola voltou a crescer, mas em 2015 houve novo declínio, influenciado pela queda nos preços do petróleo e a consequente crise no país africano.

O país é fortemente dependente do petróleo, que responde por 97% das exportações e 70% das receitas públicas. A crise levou a índices de inflação que chegam a 35% por ano e a um déficit em conta corrente que atingiu 8,9% do PIB. Algumas empresas brasileiras também têm tido dificuldades para receber por negócios feitos no país.

Esse cenário tem forçado o governo angolano a buscar estratégias de diversificação da economia, o que no entender do diplomata abre um espaço "francamente positivo" para a penetração de empresas brasileiras nas áreas da indústria, de serviços e principalmente no agronegócio.

Fonte: Agência Senado e Assessoria de Imprensa


Mais notícias:

6 de jul
CRE ouvirá ministros sobre crises orçamentárias na PF e na PRF
Por iniciativa dos senadores Ana Amélia (PP-RS) e Jorge Viana (PT-AC), a Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE) aprovou nesta quinta-feira (6) a realização de audiência pública com os ministros do gabinete-chefe de Segurança Institucional, general Sergio Etchegoyen…

29 de jun
Em audiência na Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional, nesta quinta-feira (29), o ministro da Defesa Raul Jungmann convidou senadores a discutir a escalada do crime organizado no Brasil. Na visão do ministro, é necessária mudança na…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail