Após caso de estupro coletivo no Rio, Senado aprova aumento de pena

31/05/2016 - Geral


Senadora Ana Amélia votou favorável ao projeto

Após caso de estupro coletivo no Rio, Senado aprova aumento de pena

A pena para estupro coletivo pode chegar a 16 anos e oito meses de prisão, quatro anos a mais que a pena máxima prevista atualmente, de 12 anos e meio. Além disso, transmitir imagens de estupro pela internet também poderá ser tipificado como crime. É o que prevê projeto aprovado por unanimidade nesta terça-feira (31) pelo Senado. O texto, que modifica o percentual de aumento da pena em caso de estupro cometido por duas ou mais pessoas, ainda precisa ser aprovado pela Câmara dos Deputados.

O Projeto de Lei do Senado (PLS) 618/2015, apresentado no ano passado pela senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), ganhou destaque após a repercussão do estupro de uma jovem no Rio de Janeiro, neste mês. Antes da aprovação do projeto, os senadores votaram um pedido de urgência e a relatora, senadora Simone Tebet (PMDB-MS), ofereceu o relatório em Plenário, mesmo sem ter o texto fechado por escrito.

— A maioria dos casos passam ao largo das lentes das nossas retinas, mas não aqui, não no Congresso Nacional. O Congresso Nacional, ciente de sua responsabilidade, tem enfrentado essa questão — disse Simone Tebet.

Internet

O Código Penal estabelece pena de reclusão de 6 a 10 anos para o crime de estupro. Se for coletivo, a pena já é aumentada em um quarto, o que eleva a punição máxima para 12 anos e meio de prisão. O texto proposto por Vanessa Grazziotin aumentava a pena em um terço, fazendo com o que máximo fosse para pouco mais de 13 anos.

Com a mudança sugerida por Simone Tebet e aprovada em Plenário, o aumento de pena para estupro coletivo será de no mínimo um terço, podendo chegar a dois terços. O tempo máximo, assim, passará para mais de 16 anos. Para ela, a mudança permitirá ao juiz adotar um parâmetro elástico, que possa punir com maior ou menor rigor os criminosos, dependendo das circunstâncias do crime.

Simone Tebet também mudou o texto para tornar crime, punido com dois a cinco anos de prisão, a publicação do conteúdo que contenha cena de estupro por qualquer meio, inclusive pela internet. Segundo a relatora, a mudança preencherá um vazio legal, já que atualmente essa divulgação é punida com até seis meses, como injúria.

— Estamos trazendo para o Código Penal mais um tipo, diante desse vácuo normativo: divulgação pela internet, seja de que forma for — fotografia, vídeo, comentários, transferir, comentar — passa a ser crime quando essa divulgação for de imagens de estupro individual ou coletivo — explicou.


Fonte: Agência Senado e Assessoria de Imprensa


Mais notícias:

18 de set
Raquel Dodge toma posse como Procuradora Geral da República
Tomou posse nesta segunda-feira (18) Raquel Dodge como nova Procuradora Geral da República. Primeira mulher a ocupar o cargo, Dodge disse que pretende reforçar o combate à corrupção, a defesa de direitos humanos, constitucionais e do meio ambiente, valorizando todas as áreas…

Ana Amélia renova disposição do gabinete em auxiliar municípios atingidos pelas chuvas na Fronteira Oeste
As chuvas que obrigaram mais de 200 famílias a sair de casa na região da Fronteira Oeste, no Rio Grande do Sul, foram um dos temas do discurso da senadora Ana Amélia (PP-RS) nesta segunda-feira (18), na tribuna…

14 de set
Alunos das Faculdades Integradas São Judas são recebidos no Senado
Cerca de 20 acadêmicos do curso de Direito das Faculdades Integradas São Judas Tadeu, de Porto Alegre, foram recebidos no gabinete da senadora Ana Amélia (PP-RS) nesta quinta-feira (14). A parlamentar explicou aos estudantes como é o funcionamento do gabinete, que…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail