Ana Amélia pede manutenção da cota de US$ 300 nos free shops para evitar prejuízos nos municípios de fronteira

13/05/2015 - Economia


Medida que deve entrar em vigor a partir de julho deverá reduzir movimento em hotéis e restaurantes

Ana Amélia pede manutenção da cota de US$ 300 nos free shops para evitar prejuízos nos municípios de fronteira

A senadora Ana Amélia (PP-RS) cobrou do Ministério da Fazenda, nesta quarta-feira (13), que mantenha a cota de importação de US$ 300 isenta de impostos para brasileiros que compram nos free shops em cidades-gêmeas de fronteira com o Brasil. A redução para US$ 150 está prevista para entrar em vigor em julho deste ano e, conforme ressaltou a senadora, causará prejuízos também a estabelecimentos como hotéis e restaurantes brasileiros, que hoje faturam principalmente por conta do turismo nessas cidades.

— Peço que o Governo brasileiro mantenha os US$ 300, e não os US$ 150, porque não é a redução que vai resolver os problemas financeiros do País, do nosso déficit fiscal — observou.

Assim como os turistas brasileiros fazem suas compras nos free shops em países como Uruguai, Argentina, Paraguai e Bolívia, os moradores dos países vizinhos também frequentam farmácias e supermercados brasileiros, por exemplo. Essas compras ativam a economia, salientou a senadora.

A senadora gaúcha citou exemplos no Rio Grande do Sul, como Santana do Livramento, que faz fronteira com Rivera, no Uruguai. Em Foz do Iguaçu, por exemplo, 5 milhões de brasileiros cruzam a Ponte da Amizade todos os anos. Ela lembrou que nos próximos dias, o presidente uruguaio, Tabaré Vázquez, estará no Brasil, e o tema poderá ser discutido.

Ana Amélia também cobrou a regulamentação e execução imediata da lei que autoriza a instalação de lojas francas em cidades-gêmeas de fronteira no Brasil com países da América do Sul, da qual foi relatora no Senado, e que poderá contemplar mais de 30 municípios brasileiros.

Free shops

A medida publicada no dia 21 de julho do ano passado – e que deve entrar em vigor após 30 de junho de 2015 – determina que as importações acima de US$ 150 serão tributadas com uma alíquota do imposto de importação de 50%. A nova cota valerá também para transporte fluvial (por rios) e lacustre (lagos). Para o ingresso de mercadorias no país por meio de transporte aéreo, porém, a cota será mantida inalterada em US$ 500 por pessoa.

A portaria 307 do Ministério da Fazenda estabeleceu ainda uma cota extra de até US$ 300 para o regime de lojas francas ou free shops, que poderá funcionar, além dos portos e aeroportos com alfândega, em 28 cidades brasileiras de fronteira. Por este regime, as pessoas que comprarem produtos nessas lojas poderão gastar até US$ 300 acima da cota de US$ 150 por pessoa sem a cobrança de imposto de importação. Para que a medida entre em vigor, é preciso que as cidades gêmeas publiquem leis municipais autorizando o funcionamento deste tipo de comércio e que a Receita Federal estabeleça as regras.


Fonte: Agência Senado e Assessoria de Imprensa


Ana Amélia pede manutenção da cota de US$ 300 nos free shops para evitar prejuízos nos municípios de fronteira


Mais notícias:

17 de abr
Modernização das leis trabalhistas é tema de debate promovido pelas federações das indústrias dos estados do Sul
No painel que debateu a modernização das leis trabalhistas, no 1º Fórum Sul Brasileiro de Relações do Trabalho, nesta segunda-feira (17), a senadora Ana Amélia (PP-RS) defendeu o fim da contribuição sindical obrigatória para empresários e…

30 de mar
Sindicato apresenta estudo sobre impacto da correção das tabelas do Imposto de Renda na economia
Um estudo inédito realizado pelo Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Rio Grande do Sul (Sescon-RS) e a Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS) revela que, dos R$ 97 bilhões arrecadados pelo…

Ana Amélia pede agilidade na liberação de recursos do Proex
Em discurso na tribuna nesta quarta-feira (29), a senadora Ana Amélia (PP-RS) cobrou do governo mais agilidade em relação às operações do Programa de Financiamento às Exportações do Governo Federal (Proex). A morosidade nos processos tem prejudicado exportadores brasileiros, disse a parlamentar, lembrando…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail