Ana Amélia manifesta preocupação com o aumento do desemprego

05/04/2016 - Economia


Comparando com o primeiro semestre do ano passado déficit é de 9,5%

Ana Amélia manifesta preocupação com o aumento do desemprego

Tão importante quanto o enfrentamento da crise política, é a busca por saídas para a crise econômica, disse a senadora Ana Amélia (PP-RS), em pronunciamento nesta terça-feira (5), ao lamentar o aumento do desemprego. 

A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad), feita pelo IBGE, revela que a taxa de desemprego no primeiro trimestre deste ano foi de 9,5%, índice significativamente maior que o registrado no mesmo período no ano passado, que foi de 6,8%.

Segundo a senadora, o índice que mede o medo dos brasileiros de perder o emprego em março deste ano foi 4,1% maior que o de dezembro de 2015, conforme pesquisa feita com 2.002 pessoas, em 142 municípios, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Para Ana Amélia, o mais lamentável é que não há qualquer perspectiva de mudança nesse cenário a curto e médio prazo. E isso obriga, por exemplo, pequenos empresários gaúchos a tomarem decisões difíceis, como a de deixar de pagar tributos para não demitir trabalhadores, relatou ela.

- Ora, vai acontecer também uma bola de neve em relação ao que se poderia até considerar uma desobediência civil involuntária, do não pagamento dos impostos, para fazer frente a temas sociais mais agudos, como a manutenção do emprego no país - afirmou.


Fonte: Agência Senado e Assessoria de Imprensa


Ana Amélia cita aumento de desemprego no Brasil


Mais notícias:

1 de nov
Senado aprova projeto para desenvolvimento da metade sul do Rio Grande do Sul
O Senado aprovou, nesta quarta-feira (31), por unanimidade — 53 votos favoráveis — o projeto que autoriza a criação de uma região integrada para o desenvolvimento da Metade Sul do Rio Grande do Sul. A ideia é definir…

10 de ago
Ana Amélia é contra aumento de salário para ministros e parlamentares
A decisão tomada pela maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal de conceder reajuste em seus próprios vencimentos, a partir do ano que vem, em 16,38%, "é inoportuna e provoca um preocupante efeito-cascata nas despesas públicas. O alerta foi feito…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail