Ana Amélia diz que disparidades regionais e desinformação influenciam desempenho do PAA

05/06/2018 - Agricultura


Para debatedores, programa para agricultura familiar não cresce também por falta de recursos

Ana Amélia diz que disparidades regionais e desinformação influenciam desempenho do PAA

A redução dos recursos para o desempenho do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), ao longo da última década, somada às disparidades regionais e à limitação de informação comprometem a eficiência do programa social do governo federal, focado no enfrentamento da fome e da pobreza e no desenvolvimento da agricultura familiar.
A avaliação é da Senadora Ana Amélia, requerente da audiência pública interativa, e dos debatedores que compareceram à Comissão de Agricultura e Reforma Agrária (CRA) nesta terça-feira (5) para avaliar o funcionamento do programa social. Para os debatedores, o PAA enfrenta dificuldades para expandir o combate à fome e à pobreza no Brasil e para fortalecer a agricultura familiar.
A Senadora destacou que o PAA é uma ação governamental que ajuda a garantir renda ao pequeno produtor, além de contribuir com a segurança alimentícia e nutricional do país. Ana Amélia lembra que o assunto é tão importante que o objetivo da avaliação de política pública da CRA neste ano é justamente identificar possíveis aprimoramentos ao programa.
No entanto, os recursos orçamentários previstos para a ação diminuem a cada ano, como revelou o diretor do Departamento de Apoio à Aquisição e à Comercialização da Produção Familiar do Ministério do Desenvolvimento Social (MDS), José de Almeida.  A Lei Orçamentária Anual (LOA) previu para o PAA R$ 560 milhões em 2016; R$ 312 milhões em 2017; e R$ 374 milhões em 2018. E os valores sofreram contingenciamento.


— Esse ano, 55% do orçamento previsto na LOA foi cancelado. O Ministério do Desenvolvimento Social está pleiteando uma recomposição orçamentária, via projeto de lei do executivo, de mais 210 milhões — informou o diretor.
José de Almeida frisou que as crescentes restrições orçamentárias demandam ação mais articulada entre os entes federados, sociedade civil e Poder Legislativo, com a sensibilização dos parlamentares para aprovação da recomposição do orçamento, o que permitirá o avanço do programa.
Os senadores Ivo Cassol (PP-RO) e Waldemir Moka (MDB-MS) criticaram a falta de recursos financeiros e orçamentários para o fortalecimento do PAA.


Irregularidades


O Tribunal de Contas da União (TCU) promoveu auditorias de conformidade para avaliar o PAA nos estados. Segundo Hugo Freire, diretor da Secex-Ambiental do TCU, foi possível constatar a ausência de critérios objetivos e o agravamento de diferenças regionais que comprometem as finalidades do programa.


— Há indícios de irregularidade em 9,7% dos beneficiários fornecedores. Esse número pode estar causando um prejuízo potencial de R$ 96 milhões. Isso compromete o incentivo à agricultura familiar por meio da geração de renda e a promoção do acesso à alimentação, que gera segurança alimentar — avaliou.

Na audiência, o representante do MDS José de Almeida apresentou dados de 2017 que retratam a importância do PAA para a promoção da inclusão social. Segundo ele, 45% dos agricultores estão inscritos no CadÚnico, 47% dos fornecedores são mulheres e 54% dos recursos aplicados na Região Nordeste.


O programa
Os objetivos do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) são colaborar com o enfrentamento da fome e da pobreza no Brasil e, ao mesmo tempo, fortalecer a agricultura familiar. Desde sua criação, em 2003, a iniciativa adquiriu 5 milhões de toneladas de alimentos, beneficiando mais de 400 mil agricultores fornecedores, presentes em mais de 3 mil municípios do país.
Parte dos alimentos adquiridos pelo Governo Federal vai para a distribuição à população em maior vulnerabilidade social. A outra parte, adquirida por organizações da agricultura familiar, vai para formação de estoques próprios, que são comercializados no momento mais propício, permitindo maior agregação de valor aos produtos.
A iniciativa utiliza mecanismos de comercialização que favorecem a aquisição direta de produtos de agricultores familiares ou de suas organizações. A compra pode ser feita sem licitação. Cada agricultor pode acessar um limite anual e os preços não devem ultrapassar o valor dos preços praticados nos mercados locais.

Fonte: Agência Senado e Assessoria de Imprensa


Mais notícias:

11/12/2018
Senado aprova novo limite para compra de leite de pequenos agricultores
O Plenário aprovou emenda da Câmara dos Deputados ao projeto que estabelece um novo limite de aquisição de leite no âmbito do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) do governo federal (ECD 1/2018). Conforme o texto aprovado, o limite mínimo passa a…

05/12/2018
Aprovada urgência para projeto que garante compra mínima de leite de agricultores familiares
O Plenário vota na próxima terça-feira (11) o projeto que obriga o governo federal a realizar compras mínimas de leite produzido por agricultores familiares. O texto em pauta assegura a aquisição de pelo menos 35 litros por dia. O autor…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail