Acordo Transpacífico pode ser ameaça ao setor agrícola brasileiro, diz ministro Mauro Vieira

24/11/2015 - Relações Exteriores


Senadora Ana Amélia participou da audiência na Comissão de Relações Exteriores

Acordo Transpacífico pode ser ameaça ao setor agrícola brasileiro, diz ministro Mauro Vieira

Em audiência nesta terça-feira (24) no Senado, o ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira, afirmou que o Acordo Transpacífico pode ser uma ameaça ao Brasil no setor agrícola. Para o ministro, que falou aos membros da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE), a entrada do Japão nas negociações tornou o acordo muito mais significativo.

O chanceler ressaltou, no entanto, que o Transpacífico — que reúne países das Américas, Ásia e Oceania — levará anos para se consolidar e que algumas garantias presentes no acordo já estão em plena vigência entre alguns dos 12 países membros.

— Na área agrícola os grandes mercados do Transpacífico aplicam restrições tarifárias significativas. Isso pode trazer prejuízos para o Brasil. Em agricultura, mais do que as barreiras tarifárias, são as barreiras sanitárias que podem ser importantes. Isso é sem dúvida alguma um tema de interesse e de acompanhamento.

Mauro Vieira também garantiu que o Brasil continuará nas negociações pela retomada da Rodada de Doha, tema em que a atuação do país foi criticada pelos senadores Ricardo Ferraço (PMDB-ES) e Ana Amélia (PP-RS). Desenvolvida no âmbito da Organização Mundial do Comércio (OMC), desde 2001, a Rodada de Doha tem como objetivo reduzir as barreiras comerciais no mundo.

Além da Rodada de Doha, ele destacou que a presidente da República, Dilma Rousseff, considera prioritário o acordo entre Mercosul e União Europeia.

Venezuela

Outro tema discutido entre senadores e o ministro foram as eleições parlamentares na Venezuela, marcadas para 6 de dezembro. O senador Tasso Jereissatti (PSDB-CE) afirmou que o Brasil não tem se manifestado sobre o caso e mencionou a rejeição, pela Venezuela, do nome do ex-ministro Nelson Jobim como observador da Unasul no pleito.Vieira negou ter ouvido veto venezuelano a Jobim.

O senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) pediu que o Brasil se posicione publicamente sobre medidas antidemocráticas ocorridas naquele país.

- Dirigentes, líderes políticos estão presos, não têm condição de usar os meios de comunicação. O que eu espero é que o governo brasileiro tenha uma palavra pública para expressas o mínimo de solidariedade com os democratas venezuelanos.

Mauro Vieira disse que o Brasil acompanha o processo eleitoral junto à Unasul, mas sem a participação do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).



Fonte: Agência Senado e Assessoria de Imprensa


Mais notícias:

15 de dez
Ana Amélia cumpre missão oficial a convite do governo japonês
Uma comitiva de sete parlamentares brasileiros visitou o Japão, de 9 a 16 de dezembro, com o intuito de aprofundar as relações com o país asiático e estabelecer um intercâmbio de informações com o alto escalão do governo japonês. A senadora Ana Amélia…

29 de nov
Brasil e Argentina defendem 'harmonia' para barreiras comerciais
As agências de vigilância sanitária do Brasil e da Argentina devem revisar de forma conjunta e harmônica as barreiras não tarifárias que dificultam o comércio entre os dois países. A opinião é de senadores, deputados e especialistas que participaram nesta quarta-feira…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail